Segunda-feira, 25 de Junho de 2007

Temer pela vida


Sim, tive que chegar ao segundo decénio de vida para me deparar com a primeira situação em que temi por ela. Não há qualquer tipo de exageros na minha declaração. Foi em plena noite de S.João, na saída da ponte D.Luiz para o lado de Gaia, tudo fruto de um perigosíssimo ajuntamento de pessoas num espaço verdadeiramente exiguo para tanta gente (não vou arriscar um número, mas imaginem o cais de Gaia repleto de gente a perder de vista).
Deficientes manobras de controlo de multidões por parte da polícia originou uma situação de completo engarrafamento humano, com pessoas que tencionavam passar para o lado do Porto a impedir a passagem das que tomavam o sentido contrário e vice-versa, situação que foi agravada pelo suposto fecho da passagem pela ponte para os que se encontravam do lado de Gaia por um determinado período de tempo, o que nos colocou perante o perigo de um possível esmagamento de pessoas, pois vi pessoas a sentirem-se mal, a perder os sentidos, testemunhei a estupidez humana em situações destas, mas mais preocupante, comecei a sentir pânico e a vê-lo espalhar-se em meu redor, o rastilho que poderia dar origem ao caos total. Aí senti-me insignificante, dependente do mero acaso das circunstâncias, sem qualquer controlo sobre a minha situação, um dos piores sentimentos que experimentei.
O estudo do fenómeno das multidões já é antigo e com conclusões retiradas e comprovadas que me levam, e deviam levar qualquer pessoa, a evitá-las a todo o custo. Sabia que quem se encontrava a ser apertado ao meu lado não hesitaria em passar por cima de mim para escapar em caso de crise e em puro desespero, que haveriam pessoas a atirar outras ao rio sem qualquer contemplação e eu ali com os meus deficientes recursos de nadador. No fundo, o egoísmo transfigurado em sobrevivência, na sua acepção mais primária.
Todas as preocupações quotidianas me pareceram insignificantes naqueles momentos, tudo se reconduziu ao bem mais essencial, a vida e a sua preservação.

Mas, felizmente, tudo acabou bem quando conseguimos chegar à zona das esplanadas, onde encontramos um espaço para nos sentarmos. acabando a situação gradualmente por se normalizar. No dia seguinte, constatei que nenhum meio de comunicação fez qualquer mênção ao sucedido.  Duvido que nenhuma voz, nas ondas do éter, tenha chegado ao ouvido destes senhores da comunicação, principalmente julgando pelo número de pessoas envolvidas na situação. Quando, se calhar, são os próprios envolvidos nestas situações de perigo encolhem os ombros por não lhes ter sucedido nada e assobiam para o lado, então não é de estranhar o alheamento de terceiros, a culminar nos governantes. Não se surpreendam com ausência de planos de emergência e de outras e melhores medidas até ocorrer algo de verdadeiramente grave. Isto não é ser fatalista, coisa que não sou, mas sim realista. A prevenção acima de tudo.

Ao chegar a casa, ligo a televisão e aparece-me A Lista de Schindler, e um pensamento que já tinha tido umas horas antes voltou-me a assaltar: Quão pálido e insignificante parece tudo o resto quando é a vida que está em jogo?

Quinta-feira, 14 de Junho de 2007

O melhor porno que já vi



Considerem isto um acto de solidariedade da minha parte, abstraiam-se por momentos do vosso trabalho e dêem uma pequena escapadela para voltarem revigorados para a labuta diária.

Desfrutem.

decretado por Z*T*I*V às 12:45
link do post | ousar contestar a minha sapiência | favorito
|

Momento TASER NA NUCA



Mau demais para permanecer não-publicado. Outrora houve uma banda que tomou o mundo de assalto. Eles chamavam-se Toto...

decretado por Z*T*I*V às 12:41
link do post | ousar contestar a minha sapiência | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 2 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.decretos recentes

. Momento TASER NA NUCA ( A...

. Momento TASER NA NUCA

. Momento TASER NA NUCA

. O Castig(ad)o(r) Que Se A...

. O Flagrante Exemplo

. Uma Nada Pequena Boa Notí...

. Cabeça a Prémio

. O Retrato Actual da Reali...

. O Derradeiro PECado Morta...

. Momento TASER NA NUCA

.arquivos

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

.tags

. todas as tags

.com o meu selo de aprovação

.Tasers na nuca (as conversas)

TASER NA NUCA
free counters

.Curiosos

Estou no Blog.com.pt
Estou no Blog.com.pt

.subscrever feeds