Sábado, 12 de Setembro de 2009

Método Socrático Vs. Estilo Manuelino

 

E foi assim o debate mais aguardado para as Legislativas deste mês. Talvez sintoma da mais que provável fragmentarização do voto nos diferentes partidos, nem pareceu um debate entre os líderes dois maiores partidos portugueses. Houve pouco combate e muita unilateralidade de protagonistas, muito por culpa da estratégia montada por Sócrates e pela sua respectiva equipa, o que fez com que o primeiro-ministro tivesse começado logo no mesmo tom e não tivesse largado essa postura quase até ao final. Percebeu-se que souberam tirar partido da postura habitual muita própria da candidata Ferreira Leite, a qual pareceu sempre demasiado desconfortável e acossada durante todo o debate.

 

Sócrates começou por manter a "máscara" da humildade na política que tem vindo a usar desde as últimas eleições Europeias, a qual, apesar de lhe assentar bastante mal, acabou por não lhe ser retirada ontem pela sua adversária, a qual começou logo com o pé errado, ao mostrar estranhas dificuldades em explicar os pontos do programa eleitoral do seu partido. Sócrates começou por fazer declarações de optimismo e esperança no futuro, tentando contrastá-las com a faceta cinzenta e negativa da qual Ferreira Leite faz uma estranha gala em usar como imagem de marca, e ontem voltou a cair nessa armadilha e nada fez para mostrar o contrário, nem para revelar algumas falhas no discurso "solarengo" de Sócrates. A líder do PSD também se "espalhou ao comprido" quando afirmou que o cargo de Presidente do Governo Regional da Madeira não era um cargo electivo, quando se discutiu o facto do cabeça de lista dessa região ser Alberto João Jardim, o qual se recusou sempre em comparecer na Assembleia da República.

Quanto a Sócrates, carregou na tecla dos grandes projectos como o TGV e o novo aeroporto de Lisboa, sendo que a sua adversária falhou em explorar esse tema, já que esses mesmos empreendimentos já foram postos em cheque por alguns membros do próprio executivo socialista. Esta ainda se viu debaixo de fogo quando Sócrates relembrou "acordos de princípio" celebrados entre o Governo PSD/PP e o Governo espanhol no ano de 2003, no sentido de se ir para a frente com a linha de alta velocidade ibérica. A cartada da ameaça dos interesses espanhóis acabou por se afundar nesse momento. Ferreira Leite necessitava de se explicar melhor. E dizer que a conjuntura económica em 2003 era favorável e desafogada? Claramente, não viveu no ano de 2003 em que o resto do país viveu. Erro de palmatória. Foi um dos seus maiores tiros ao lado na matéria económica.

 

Em matéria fiscal, quando Sócrates afirmou que apenas tinha aumentado o IVA, Ferreira Leite não só falhou no ataque, como ainda se deixou enredar pela questão do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e do Pagamento Especial por Conta para as Empresas (PEC), acabando por ver-se a si mesma a criticar precisamente dois impostos criados aquando da sua passagem pelo Governo.

 

Quanto à questão das SCUTs, os dois candidatos estiveram turvos. Ferreira Leite pareceu fazer "marcha-atrás" quanto à sua oposição original a estas, sendo que Sócrates mudou abruptmante para a questão da construção de novas auto-estradas, aproveitando uma deixa de ...Manuela Ferreira Leite. Esta, argumentando inicialmente no sentido de estas representarem um encargo futuro, de repente passou a defender a opinião de Sócrates de que algumas destas auto-estradas são de interesse nacional.

 

Na questão da política social, entrou-se no domínio dos lugares-comuns que caracterizam, no papel, o PS e o PSD. Ferreira Leite manteve-se retraída e cautelosa neste capítulo, claramente o medo de perder votos nunca se mostrou com tanta força como até aqui. Sócrates limitou-se a vestir a pele de paladino do Estado-Providência, convidando constantemente a sua adversária a dizer o que lhe ia na alma. Houve contenções e panos quentes.

 

Quanto à Saúde, Sócrates, confrontado com um tema que lhe era mais sensível, enunciou constantemente exemplos e estatísticas, quebrando o ritmo do debate, e atirando a batata quente da privatização para a mão de Ferreira Leite, a qual não conseguiu desfazer essa questão de forma conclusiva, incapaz de explicar se quer privatizar o que é público ou se está a defender uma co-existência entre o público e o privado. Bastou Sócrates mostrar uma entrevista ida daquela ao "Público" (na qual o tema da privatização da Saúde, Educação e da Segurança Social foram abordados) e sucederam-se os tropeções.

 

O último tema, o da Educação, configurava-se como a derradeira "arma" de Ferreira Leite contra Sócrates. Contudo, a sua exposição acabou de forma muito breve e atabalhoada, "cortada" pela moderadora Judite de Sousa por constrangimentos de tempo reservado a cada candidato. Por outro lado, Sócrates apenas se escudou no incremento do ensino profissional. Muito pouco. Via-se que era o tema onde estava menos à vontade...

Assim se viu quando não quis abordar a questão da manutenção da ministra Maria de Lurdes Rodrigues, Sócrates, pela primeira vez, suou. Disse, já no limite, que: "O novo Governo será um novo Governo com novos Ministros", frase enigmática que ficou a pairar no ar. Acabou por ser "salvo" pelo esgotar do seu tempo de resposta...

 

No final, a questão da hipotética solução de "Bloco Central" foi terminantemente rejeitada por Ferreira Leite, sendo que a sua analogia final do individuo que mata o pai e a mãe para dizer que é órfão, para criticar a atribuição de subsídios aliada a fracas políticas de incremento foi especialmente infeliz, imediatamente criticada e aproveitada por Sócrates.

 

Foi um debate claramente ganho por José Sócrates, mas ficou a impressão que com muito demérito de Manuela Ferreira Leite, que mostrou muita irritação, muita crispação, um carácter demasiado monolítico. Sócrates cobriu bem as suas falhas, e nem teve que se esforçar muito para isso. Se não soubéssemos já da exiguidade das sondagens, diríamos que o PS já teria ganho (ainda que nada folgadamente) as eleições. Mas tempos difíceis como estes são inimigos naturais da previsibilidade. De que serviria dizer que, numa normal democracia e em circunstâncias pouco extraordinárias, alguém como Manuela Ferreira Leite nunca ganharia umas eleições? Se calhar, e para já, ainda pouco...

 

 

  

 

 

 

 

 


decretado por Z*T*I*V às 23:59
link do post | ousar contestar a minha sapiência | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 2 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.decretos recentes

. Momento TASER NA NUCA ( A...

. Momento TASER NA NUCA

. Momento TASER NA NUCA

. O Castig(ad)o(r) Que Se A...

. O Flagrante Exemplo

. Uma Nada Pequena Boa Notí...

. Cabeça a Prémio

. O Retrato Actual da Reali...

. O Derradeiro PECado Morta...

. Momento TASER NA NUCA

.arquivos

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

.tags

. todas as tags

.com o meu selo de aprovação

.Tasers na nuca (as conversas)

TASER NA NUCA
free counters

.Curiosos

Estou no Blog.com.pt
Estou no Blog.com.pt

.subscrever feeds